Micro Services com Wildfly Swarm

Micro Services com Wildfly Swarm

Atualmente, um conceito que vem sendo bem difundido quando falamos sobre arquitetura para aplicações web e mobile são os micro services. Há pouco tempo atrás, quando falávamos sobre servidores de produção para grandes portais ou aplicações web que possuem um número elevado de acessos, pensávamos em servidores com configurações robustas, prontos para aguentar uma alta taxa de acessos. Isso sem falar, é claro,  de toda a redundância e esquemas de fail over.

Então, anteriormente tínhamos uma única aplicação fechada que funcionava  como um único bloco, sendo responsável por todas as funcionalidades da aplicação em um só local. Com a ideia de micro serviços, construímos uma única aplicação como anteriormente, mas, agora, divida em um conjunto de pequenos serviços apartados uns dos outros e que se comunicam entre si através de recursos HTTP por exemplo.

Martin Fowler aborda esse tema de um ponto de vista imparcial mostrando suas vantagens, como por exemplo, o fato de que qualquer alteração em uma determinada parte da aplicação, não mais requer o deploy dela como um todo. A exposição de uma maneira mais clara das interfaces públicas também é um fator favorável a esse tipo de abordagem. Mas, a aplicação dessa nova metodologia não traz só pontos positivos, pois lidamos com mais chamadas remotas que às vezes tornam nossos processos mais custosos. Caso queira saber mais sobre o estudo realizado por Fowler, você pode clicar aqui para ver a matéria na íntegra.

Juntamente com o conceito, várias novas tecnologias têm sido criadas ou adaptadas para atender essa necessidade. No mundo Javascript temos o Nodejs, em Java temos o Spring Boot. Percebendo também a inclinação do mercado para essa nova abordagem, a Red Hat não podia ficar de fora e com isso, agora, temos mais uma opção, o Widlfy Swarm. Desde o lançamento do JBOSS AS 7, em 2011, o mesmo vem se reinventado, buscando atender as necessidades dos desenvolvedores, seja componentizando o contêiner ou refazendo todas as suas estruturas de gerenciamento. O pessoal do JBOSS não parou por aí e criou, a partir da base do AS 7,  uma implementação mantida com a ajuda de toda a grande comunidade que gira em torno da Red Hat e assim nasceu o projeto Wildfly. Em sua mais nova versão, um dos novos recursos é o Swarm, que oferece a capacidade de criarmos uma pequena instância do Wildfly utilizando somente os recursos necessários. Assim, para cada pequena instância, utilizamos somente as apis que iremos usufruir em determinada parte da aplicação.

Nesse vídeo vamos ver como montar um pequeno webserver utilizando o Swarm.

Material sobre micro services

Página oficial do projeto Swarm.

Código fonte

 

Sem Comentários

Envie um comentário